quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Poupar... para pagar erros do passado


A noticia do Jornal de Negócios para alguns pode ser preocupante mas o facto é que esta poupança referida e que o SCP já faz (afirmação de André Varela, director financeiro do SCP) é para pagar mais um erro do nosso passado. 
As VMOC´S, são uma ´batata quente` deixada pelo passado do nosso Clube, assim como muitos outros problemas,  e que se colocará dentro de 9 anos! (não falta assim tão pouco tempo)
A herança foi pesada.
A noticia(link) é esclarecedora porém não na sua totalidade. Os sócios pretendem saber o que são as VMOC´S e o que elas representam para o Clube e o que comporta essa situação visto que se fala de uma poupança do Clube.

Resumo:
-VMOC = Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis 
-O SCP gastará(no máximo) 44 Milhões de Euros em 2026 para manter o controlo da sua SAD(pode ser inferior) 

Não sendo um entendido na matéria chuto esta matéria para quem a explica magnificamente e merece por isso todo o mérito. Refiro-me portanto ao Mister do Café que neste seu post (link) deixa qualquer um esclarecido. 
O que me leva a escrever é portanto o que temos que andar a fazer para colmatar erros do passado do SCP e não foram poucos!! 
Não pretendo com isto estar a citar nomes até porque já tudo é conhecido mas é um facto e as pessoas não se podem esquecer disto. Esta direcção tem resolvido muitos problemas que foram herdados. 
Quem não se lembra do problema com a Galp que já tinha duas décadas e da reestruturação financeira que Ricciardi (link) confirma ser de total responsabilidade de Bruno de Carvalho? 
Impressionante como andámos tantos anos a arrastar problemas e que só uma direcção os tenha conseguido resolvê-los!! O homem tem que ser mesmo mau!!!!!!!!!
Mas o que eu quero frisar é que André Varela, Director financeiro do SCP , nesta entrevista que obviamente não é inocente conta que o nosso Clube já se prepara para resolver esse assunto...aliás como já vem prometido no programa eleitoral de BdC para o novo mandato. 
Isto faz alusão então á continuidade desta direcção que já trabalha nos anos futuros e que seria um erro tremendo estarmos a mudar agora....por isso não me canso de dizer que tudo isto é obra!! O Pavilhão é obra visível mas esta , muito importante, é invisível mas tremendamente vital.

"Sporting já está a poupar para não perder maioria na SAD
André Varela, director financeiro, afirma que o clube já está a pôr de parte dinheiro para recomprar ao BCP e ao Novo Banco parte da dívida convertível em acções. E diz que o aumento dos custos com o plantel é sustentável.


O plano de reestruturação financeira do Sporting obrigou à emissão de 135 milhões de euros em valores convertíveis em acções que ficaram na mão dos credores, o BCP e o Novo Banco. Se parte deles não for recomprada, o clube perderá o controlo do capital da SAD.

André Varela, director financeiro do grupo, garante ao Negócios que já está a ser posto dinheiro de parte para assegurar que isso não acontece.

Após a reestruturação do passivo negociada com os bancos, o clube de Alvalade ficou com 64% do capital. Mas pode perder a maioria, se até 2024 não exercer a opção de recompra de parte dos valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis (VMOC) em acções. 

"Está do nosso lado arranjarmos o dinheiro suficiente para nessa ou numa data anterior exercer essa opção. E já estamos a fazer poupanças nesse sentido, a reservar dinheiro para essa aquisição", revela André Varela, que assumiu o cargo em Setembro, depois de ter feito parte da equipa de auditores do clube (PwC) a partir de 2013. "O que teve por base a reestruturação negociada por esta administração foi manter a maioria do capital."

"O ‘trigger’ do pagamento de juros é a distribuição de dividendos, o que só é possível quando os resultados transitados são positivos."
ANDRÉ VARELA, DIRECTOR FINANCEIRO DO SPORTING

As condições da reestruturação prevêem que o BCP e o Novo Banco só recebam juros, a uma taxa de 4%, se a SAD tiver resultados transitados positivos. O que dificilmente acontecerá nos próximos anos, tendo em conta que em Setembro esta rubrica apresentava um resultado negativo de 226,4 milhões.

"O ‘trigger’ do pagamento de juros é a distribuição de dividendos, o que só é possível quando os resultados transitados são positivos", esclarece André Varela. "Ainda não existe essa expectativa de a SAD ter resultados transitados positivos."

As contas consolidadas do clube relativas ao exercício 2015/2016, o primeiro completo depois da reestruturação, terminou com um prejuízo de 8,3 milhões de euros. O aumento das receitas foi insuficiente para compensar o crescimento de 90% nos custos com pessoal, para quase 50 milhões de euros, fruto do investimento no plantel.

André Varela desvaloriza. "Este crescimento de custos é sustentado, porque temos todas as linhas de receitas a crescer." O director financeiro destaca o aumento das receitas com direitos televisivos – "triplicam" – após o contrato de 515 milhões com a Nos, por 12 anos. E a presença em duas das últimas três edições da Liga dos Campeões. O director financeiro justifica ainda o resultado com a opção de vender João Mário e Islam Slimani em Agosto, o que valeu à SAD os melhores resultados trimestrais de sempre: 63 milhões de euros.

O mau desempenho desportivo esta época – o clube já só joga o campeonato – ditou um "ajustamento relevante" nos custos, garante André Varela. No mercado de Inverno saíram Elias, André Filipe, Markcovic, João Pereira, Tanaka e Marcelo Meli e entraram apenas jogadores da formação. "Quando sabemos que as coisas não estão a correr tão bem, tentamos ajustar para serem sustentáveis." 

Passivo baixou 80 milhões
As contas consolidadas do clube fecharam o exercício de 2015/2016 (que termina em Junho) com um passivo de 355 milhões de euros e capitais próprios negativos de 175 milhões. Um número que mereceu, de resto, uma ênfase do auditor. André Varela, director financeiro do clube, prefere salientar a diminuição de 80 milhões no passivo após a reestruturação. E diz que este continuará a descer por via dos resultados operacionais. Apesar da situação financeira débil, André Varela garante que os bancos não mandam no clube, apesar de ter sido nomeado um "controller" financeiro, que é também administrador executivo. "Os bancos são um parceiro do Sporting", garante.  "


Não há duvidas possíveis: não há nada a fazer se não comprar as VMOC´S em 2026 para garantirmos a maioria da SAD. Por isso a tal poupança que André Varela fala tem razão de ser mas sabemos que será necessário economizar muitos milhões em 9 anos. 
Porém, a conta não passará por obrigatoriamente colocar, todos os meses, ´uma mensalidade` no porquinho mealheiro até porque uma grande transferência poderia resolver só de uma vez esta questão. No entanto, se assim fosse teríamos que colocar 4.8 milhões de euros todos os anos de lado para que em 2026 tivéssemos os 44 milhões de euros....isto se não tivéssemos mais nenhuma obrigação perante a banca(o que acontece).
O que realmente interessa ver é que é mais um problema que temos mas que está a ser resolvido no mais alto interesse do SCP.
E a mim não me interessa o que outros digam ou possam comentar como se não tivessem telhados de vidro bem maiores que o nosso (45 Milhões em Obrigações em 2018; 50 Milhões de Obrigações em 2019; 40 Milhões papel comercial em 2019 e 30 Milhões papel comercial 2016 + 230 Milhões em empréstimos do BCP e CGD e Novo Banco) mas meus amigos: daqui a 9 anos temos que reaver estas VMOC´S para mantermos a maioria da SAD.
As contas não são fáceis até porque existem outras obrigações até lá mas o facto relevante é que este é mais uma herança PESADA que esta direcção está a resolver como tem resolvido...muitas outras. 
O caminho não é fácil mas esta direcção fez com que o Clube voltasse a ser credível pagando as suas contas, cumprindo o acordado com a banca mas também elevando em muito as nossas receitas que faz com que possamos investir mais.
Este é só mais um problema herdado!!

Siga AmorSporting nas redes sociais. Obrigado.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Comente em AmorSporting: