segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Apareçam ou desapareçam...para sempre


O nosso Clube vai realizar uma Assembleia Geral , em Janeiro , a ´pedido´ desse grande politico e sportinguista, Rui Barreiro. Este srº que ainda por cima é Conselheiro Leonino tem mostrado o todo o comprimento da sua língua para criticar o nosso presidente e o nosso Sporting. Então que melhor do que uma Reunião sportinguista , Assembleia Geral, para mostrar a todos o que têm a dizer?
Mas atenção não é só para este srº
, é também para os críticos que falam, falam, falam, mas quando chega a altura de falar cara a cara ......não aparecem.
Oh, srº Rui Barreiro espero que desta vez apareça para falar com os sócios ou vai ser mais uma vez COBARDE?
O srº Rui Barreiro se percebesse de futebol, de união clubista, de espírito de corpo ou até sportinguismo não voltava a falar antes de um jogo importante para o Sporting. Mas não!! O que parece existir é uma clara "sobreposição dos seus interesses pessoais aos superiores interesses do Sporting" e como diz BdC , é tempo "de passar de reuniões em cafés/restaurantes, de comícios privados e de páginas de Facebook ou blogues, para darem a cara perante os Associados, deixando de utilizar meros "testas de ferro".
Eis o Comunicado do Presidente do Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal:

"No momento em que os mais variados responsáveis do Sporting Clube de Portugal vieram a público realçar a importância da unidade de todos os Sportinguistas em torno do projeto comum para se atingirem os principais objetivos definidos para esta época, e em vésperas de mais um jogo de enorme relevância, o associado Rui Barreiro volta a aparecer, em público, a procurar desestabilizar o nosso Clube com críticas, tornando clara a sobreposição dos seus interesses pessoais aos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal.

É, de facto, um período de grande unidade aquele em que vivemos mas foi sempre claro que, por poucos que sejam, nunca deixarão de existir um conjunto de "sportinguistas" que recordam, aparentemente com saudade, um Sporting Clube de Portugal falido, conformado, apático, derrotado e abatido que, ainda assim, era o seu garante financeiro e social e de muitas outras famílias.

Nunca, com esta Direção, no Sporting Clube de Portugal se esconderá ou procurará calar o som de uma voz díspar, mesmo que muito isolada, pois prezamos o direito à opinião e a que a mesma seja ouvida.

E assim o será, novamente, apesar do lamento de que sejam sempre escolhidos, com rigor calculista, os momentos de suposta dificuldade do Clube que, aparentemente, dão alento a estes detractores.

O mesmo já havia acontecido em vésperas do ultimo Sporting Clube de Portugal-Benfica para a Taça de Portugal, em que aquele dirigente, assumindo a posição dos nossos rivais e um papel claro de "testa de ferro" de críticos que não se conformam com o rumo de credibilidade, confiança e espírito ganhador da nossa equipa, surgiu a dar voz a questões que nunca colocou nos órgãos próprios do nosso Clube, onde até hoje, assim como os que o acompanham na sombra, quase sempre estiveram ausentes.

Mas, nesta altura, em que se deveria celebrar uma das características mais marcantes do ADN Sportinguista que é a coesão para enfrentar as adversidades, o dito associado volta a não encontrar melhor programa para servir a sua agenda que não seja dar um passo para o lado e chamar sobre si as atenções sugerindo que o Clube deveria convocar uma Assembleia Geral.

Uma Assembleia Geral como a de 17 de Janeiro de 2015 a que o associado em causa não estando ou não expressando a sua posição, assim como quem o acompanha sem dar a cara, como são seus hábitos e costumes e na qual, por iniciativa da actual Direção, foram debatidos com os Sócios assuntos com a maior  relevância , relacionados com os fundos, o "caso" Doyen, as relações com os empresários, a empreitada do Pavilhão etc, numa reunião marcada pela enorme afluência de Sócios e pelo apoio esmagador às decisões da Direção em todos estes temas. Relembramos que na referida Assembleia Geral todos estes temas foram detalhadamente apresentados explicando a razão de cada decisão, as suas virtudes e eventuais consequências.

É tradição cultural do Sporting Clube de Portugal, retomada por esta Direção, promover a livre discussão e exposição das mais diversas opiniões: é delas, da honestidade com que são apresentadas e da deliberação que sobre as mesmas os Sócios tomem que se faz o caminho da Maior Potência Desportiva Nacional.

Foi nesse sentido, que todas as principais decisões que têm estado em destaque sobre a vida do Clube, desde as diferentes medidas que possibilitaram a reconhecida recuperação financeira e desportiva realizada ao longo destes últimos dois anos, todas estas matérias, foram amplamente discutidas, analisadas e aprovadas pelos órgãos próprios do Clube, sendo curioso que na altura e perante os Associados não fossem postas em causa essas decisões.

Só que nunca esta Direcção se furtou ao diálogo ou se esquivou ao confronto saudável de opiniões. Se o associado Rui Barreiro frequentasse as Assembleias Gerais do Clube ou se fizesse ouvir a sua voz no Conselho Leonino talvez muitas das questões que coloca com tão ousada galhardia na comunicação social já tivessem tido resposta no local certo. Mas apesar, e repete-se, de todas as questões levantadas já terem sido objeto de discussão e análise em anteriores reuniões, entende mesmo assim a Direção do Sporting Clube de Portugal, optando por não fugir dos assuntos, nem obrigar os associados a recolher assinaturas e dinheiro para se fazerem ouvir, decidir:

1 - Solicitar de imediato ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, que convoque para o próximo mês de Janeiro uma Assembleia Geral para abordar todos estes temas e outros de interesse para o Clube, convidando expressamente o associado Rui Barreiro a estar presente, para, de acordo com os estatutos, poder apresentar e discutir as questões que até ao momento só tem lamentavelmente levantado junto dos Órgãos de Comunicação Social;

2 - Solicitar ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral que nessa Assembleia Geral seja devidamente acautelada a reserva de tempo tida como necessária pelo associado Rui Barreiro, para que apresente detalhadamente as suas críticas, análises, ideias e propostas concretas, libertando o mesmo associado do constrangimento inerente às habituais intervenções de apenas três minutos por Sócio, concedendo-lhe o tempo que este julgue conveniente.

Por último, e fazendo novamente um convite que tem sido habitual antes de todas as Assembleias Gerais mas infelizmente nunca acedido pelos seus destinatários, esperamos que seja esta Assembleia Geral aproveitada por aqueles que comunguem dos propósitos do associado Rui Barreiro para estarem presentes, darem a cara e fazerem ouvir a sua voz no local próprio. É altura de passar de reuniões em cafés/restaurantes, de comícios privados e de páginas de Facebook ou blogues, para darem a cara perante os Associados, deixando de utilizar meros "testas de ferro", podendo os mesmos finalmente conhecer as pessoas e as suas ideias.

Lisboa, 28 de Dezembro de 2015

Bruno de Carvalho, Presidente do Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal"

E é assim, os cobardes que por aí criticam tudo o que se faz no nosso Clube mas escondidos e anónimos apareçam e digam de sua justiça. Deixem de ser uns cobardolas e apareçam que ninguém vos faz mal. Exponham as vossas criticas e dêem a cara pelo que acreditam. 
As Assembleias Gerais são os locais certos para o efeito e agora , já que há uma proposta para terem o tempo que necessitarem, espero que apareçam e falem perante todos os sócios...ou desapareçam para sempre!
É tempo dos corajosos mas não acredito que tenham tomates para isso!!

Sem comentários :